quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

VINICOLA LUMINIS

BODEGAS LUMINIS
VINHOS PARA DESCOBRIR

Numa estrada de terra em Cruz de Piedra, Maipú, Mendoza, no meio do nada, bem fora do glamour da rota do vinho se encontra esta vinícola alavancada por dois figuraças: o enólogo Cristian " el mudo" Allamand e por Martin Castro, os dois de famílias bem tradicionais no mundo do vinho.
Vinícola pequena, de baixa produção, em pleno crescimento e com vinhos altamente qualificados. 

Luminis durante muito tempo exportou o 99 % da produção pelo que é ainda uma desconhecida mesmo em Buenos Aires, onde seus rótulos podem se encontrar só nalgumas casas de vinhos que procuram fugir dos clássicos. 
Nestes últimos tempos, Luminis começou a mergulhar o mercado interno, com presença importante em Rosario, cidade a 300 km de Buenos Aires.
Acabei comprando um em Buenos Aires e senti um diferencial na hora de bebe-lo ... a curiosidade me fez contata~los e acabamos sendo convidados por Cristian e Martin para degustar a produção inteira e conhecer o que eles fazem, suas fincas e principalmente, seus vinhos. 



A CATA 

Allamand Malbec Valle de Uco 2012: de fincas próprias de três vinhedos diferentes, este malbec do Valle de Uco tem uma nariz algo floral,mineral, sutil;  surpreende em boca potente, intenso, elegante e com final de persistência media; taninos amáveis.

Allamand Valle de Uco Malbec 2013: mais interessante do que o 2012..mais expressivo e convidativo em nariz. vinho complexo.

Allamand Valle de Uco Cabernet Sauvignon 2013: um cabernet diferente, intrigante em nariz...precisa evoluir em garrafa ainda, mas uma boca que promete e muito.



Luminis Luján de Cuyo Malbec 2013;  aqui a nariz seduz: bem aromática, fruta vermelha e preta se soltando, convidativo.
Em boca é suculento, fácil de beber com um passo elegante e um final apaixonante; pode evoluir em garrafa ainda.

Luminis Pedriel Malbec 2012: pura fruta, puro terroir. Madeira dando estrutura ao vinho, intenso sem perder nunca a elegância um malbec cativante!
Acabei, já com a cota de vinhos a trazer completa, comprando um.



Allamand: este é o vinho ícone que a vinícola só produz em safras quando as qualidades das uvas o permitem.
É um blend que varia a sua composição segundo o capricho do winemaker Crisitian,  é ele quem decide quais fincas e quais uvas vão fazer parte do produto final
Blend diferenciado, expressivo, complexo, que não é pra mim o tipo de vinho que se aprecia na sua totalidade numa cata; é um vinho que precisa respirar assim que aberto.
Obviamente acabei comprando uma que abrirei oportunamente em casa para contar as minhas sensações a garrafa inteira.

Conclusões finais: Para resumir a cata diria que são vinhos dedicados, expressivos, quase artesanais; vinhos surpreendentes, diferentes, de caras que sentem verdadeira paixão pelo que fazem, o que repercute diretamente no produto final, complexos em algum caso, grandes vinhos em muitos outros.


A experiencia como um todo com a vinícola foi sensacional, aproveitamos a aprendemos muito dos conhecimentos do "el mudo" e fomos genialmente atendidos pelo Martín, um craque.
A boa onda e o alto astral deles acabou num almoço no povoado de Luján de Cuyo, levando alguns dos vinhos da cata, com visita posterior a uma das fincas em Pedriel da vinícola que finalizaram com chave de ouro o nosso passo por Luminis.
Obrigado Martín, Obrigado Cristian!!





Posteriormente a nosso passo por lá vários dos vinhos receberam altas pontuações 
médios internacionais, com a Wine Spectator dando entre 87 a 91 pontos...parabéns!!


Obs: Sem importador ainda no Brasil, os vinhos da vinícola Luminis podem ser encontrados no Le Bon Vin, uma enoteca em Palermo de outro craque, Diego Kostic.
Le Bon Vin
Gurruchaga 1876, Palermo, Buenos Aires 






2 comentários:

  1. Gracias Alejandro!
    Esperamos a todos los hermanos Brasileiros que quieran venir a conocer y probar nuestros vinos siempre!
    Saludos desde Mendoza!

    ResponderExcluir
  2. Gracias a uds!! (obrigado a vocês!!)

    ResponderExcluir